Pela vontade esquecer

Por 05 / 07 / 2011

Pois é, estou apaixonada. Fico horas e horas a sonhar com o quanto ele poderia me completar, me fazer feliz, me fazer sonhar em seus braços, me proteger com seus carinhos, me esquentar com seu calor. Mas no lugar da pele, eu sinto o frio. Ele está longe mim, mesmo quando sou capaz de sentir sua respiração, ele está há um abismo de distância. O abismo do não-amor.

Ele não me quer, ele não me deseja, ele me vê como uma garotinha para quem ele não está disposto a entregar seu coração. Então fico pensando no destino ou naquela história toda de carma, de alma gêmea e percebo que talvez nada disso é real. Somente uma vez na vida eu amei de verdade, embora me apaixone com certa facilidade, e esse grande amor que eu senti resultou-me em lágrimas e a constante vontade de não mais existir. E que sentido tem respirar ou admirar o sol de cada dia se o frio se faz persistente em mim?

Estou apaixonada, mas não pelo meu verdadeiro amor. E eu sei disso, mas esquecer é tão difícil quando sobreviver sem oxigênio. Ou talvez minha luta hoje não seja para esquecer esse alguém por quem sou apaixonada, mas sim, por aquele único que realmente amei. Amor não se perde tão fácil, e mesmo que eu venha a cair em outros braços, eu jamais esquecerei que nada no mundo irá me completar se ele não estiver comigo. E ele não estará.

E tudo o que eu mais queria era fazê-lo feliz…

MayaFalks

Redatora publicitária, escritora, roteirista, colunista e mulher vaidosa nas horas vagas.
Sugira temas para essa coluna!
Contato: maya.soudiva@gmail.com
Twitter: http://twitter.com/MayaFalks
Site: www.mayafalks.blogspot.com

Helen Rauen

Relações Públicas, bancária e auto-maquiadora nas horas vagas. Perfeccionista, consumista, chef de sua própria cozinha e com uma pitada de artesanato na veia.

Confira todos os artigos de AUTOR
Seja o primeiro a comentar em Pela vontade esquecer
Deixe seu comentário:





Procurando algo?

Assine nossa newsletter

Instagram